20 outubro 2010

Goze a vida!

Contado por Nana Maia às 10:39
Reações: 
    
    A varanda com duas confortáveis cadeiras, a brisa a soprar no fim da tarde, no horzizonte o sol a se pôr. No corfoto das confortáveis cadeiras eles se sentam para ver o dia adormecer e o despertar da noite, até que a brisa de torne o vento incômodo e chegue a hora de se agasalhar.
Dois pares de olhos, rodeados pelas marcas da vida, se olham e o brilho é como o do dia em que se conheceram, quando o amor sorriu para eles. As mãos agora frágeis, um dia eram ágeis, ás dele para tentar as delas para impedir, as dos dois para compartilhar.
Hoje elas se tocam afetuosas, sentindo o que não precisa ser dito, e mesmo assim sendo completamente compreensíveis. 
    Anos se passaram, fizeram o que tinha que ser feito. Criaram uma grande e bonita família, tinha netos e bisnetos, e agora o que lhes importava era não se importar, não se preocupar, deixar que acontecesse, permitir à vida ser vivida, às belezas serem admiradas, às músicas serem ouvidas e ao amor amar.
Hoje conversam por horas, tomam o chá sem pressa, jogam xadrez na praça e dormem á tarde. Hoje gozam da inteira felicidade de ter um ao outro em suas vidas. Hoje eles amam incondicionalmente. Hoje o único arrependimento é o de não ter reservado uma tarde perfeita como a que observavam, para se sentarem na grama de um parque, fazer pique-nique e se abraçar sob o céu azul. De não ter procurado o cruzeiro do sul, visto estrela cadente, de fazer amor sob o céu estrelado.  Hoje o amor é sublime, é sentido, não sendo necessário ser verbalizado para ser provado.
    Mas ontem poderia ter sido vivido, sentido de formas extravagantes, loucas!
Mas o ontem passou e o hoje é um presente especial para que reveja o que passou a tempo de compensar de alguma forma. Eles compensaram doando-se completamente um ao outro.
Enquanto temos tempo, podemos fazer que quando chegarmos aos cinquenta anos de convivência com o ser amado, possamos olhar para o que foi vivido com menos pesares e mais prazeres.
Dedique um minuto para dizer eu te amo, olhe para o céu no campo e veja a via láctea, tome banho de cachoeira, abrace, beije, faça amor (muuuuuiiito amor), seja feliz!

0 Contos:

Postar um comentário

 

Contos de M.Maia Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos