25 janeiro 2009

Crônica 1 - O que vou ser quando crescer?

Contado por Nana Maia às 11:07
Reações: 

Quando penso no que quero ser quando crescer, penso também se o tempo esperará por minha indecisão. Não que eu não seja uma pessoa resolvida, mas as opções são muitas e o que eu escolher agora será minha profissão pra sempre. Logicamente tenho a opção de ser mais de uma coisa, mas será que se eu, por exemplo, for dentista, enfermeira e professora, dedicarei a mesma atenção que dedicaria a uma só. Será que seria uma ótima profissional, ás três? A lógica te responde, não!
Pronto escolhi o que quero, o que eu faço? Fico anos na faculdade, tenho meu diploma, posso dizer “sou alguma coisa na vida”, mas e ai, onde está o emprego? Pois a finalidade de ficar anos e anos dentro de uma sala, aprendendo um assunto especifico, é aplicá-lo e correr atrás dele no mercado de trabalho. Mas não sei se você também pensa assim, mas o mercado de trabalho parece mais uma perseguição policial. Onde você corre atrás do emprego e ele foge de você. Bizarro mas é verdade.
Mas vamos ser otimistas. Você tem a sorte com você, conseguiu o emprego compatível com a sua profissão escolhida e nem ao menos procurou tanto ou teve de correr atrás dele. Parabéns. É uma boa empresa, correta com seus princípios e com seus funcionários. Passa-se um ano, passam-se quatro, oito, vinte! Meu Deus você vai aposentar ali dentro! Mas neste período você foi um profissional exemplar, a empresa te pagou em dia, tirou férias quando foi mais conveniente para você, porque você deu o retorno. Mas e ai? O que tem a contar? Você não sente um vazio dentro de você? Sendo apenas aquilo que planejou ser? É complicado. Antes eu havia dito escolha uma para se dedicar, claro você não precisa ser milhões de coisas. Mas a mente ficará estagnada em algum ponto, esgotada com essa rotina maçante. Você tem a profissão que escolheu e trabalha nela. Ótimo. Mas você pode se especializar, ou fazer informática, ou um curso de línguas, artesanato para aliviar a mente, qualquer coisa de que goste, mas que goste em segundo plano, sua prioridade é sua vida profissional. Se tiver família mais um ponto a favor para que você procure um curso fora do trabalho. Por quê?
Se você fica cansado da rotina, você naturalmente fica estressado, se você fica estressado em algum momento descontará em alguém, e quem será a vitima fatídica? FAMILIA.
Moral da história. Ser feliz sempre, em primeiro lugar. Escolha uma profissão dentro do que goste, mas que te dará um retorno, pois lá na frente será um profissional frustrado. E sempre pense em renovar seu estoque de conhecimentos e experiências, se não servir agora, pelo menos poderá contar muito a seus netos!

0 Contos:

Postar um comentário

 

Contos de M.Maia Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos